Notícias

23 de janeiro de 2019
Instrumento APEGI - Acompanhamento Psicanalítico de Crianças em Escolas, Grupos e Instituições

Acompanhamento Psicanalítico de Crianças em Escolas, Grupos e Instituições (APEGI)
































Nº:


Nome:


Idade:


Data de nascimento:


Mãe (ou cuidador):                                                                           


Pai (ou cuidador):


Escola/Instituição:


Aplicador:


Data:     /      /

       

Legenda para os eixos que estão sinalizados entre parênteses antes de cada pergunta:

1. P/R S: presença /reconhecimento de sujeito

2. BF: o brincar e a fantasia

3. IC: imagem corporal

4. FP: função paterna

5. FS: função do semelhante

I.               ENTREVISTA COM OS PAIS

OBSERVAÇÕES:


1. Enquanto o pesquisador estiver preenchendo o cabeçalho, dizer para a criança: “Aqui nesta caixa há alguns brinquedos para você brincar enquanto eu converso com seus pais. Mas espere um pouquinho, vou dizer para você quando vai poder abrir a caixa. No final do nosso trabalho, você me ajuda a guardar os brinquedos, combinado?”. Deixar abrir a caixa quando tiver terminado de preencher o cabeçalho. Em seguida, observar se a criança brinca sozinha enquanto o profissional conversa com os pais.

2. Nas situações concretas, solicitar para os pais exemplificarem, explicar o que mais entendem pela nomeação que dão, por exemplo, da agitação da criança.



















































































1. (P/R S). O que os pais dizem a respeito da criança e como o fazem?

Sugestão: Fala-se dessa criança como uma criança singular, com suas particularidades, seus hábitos, suas preferências, sua história singular? Contam-se episódios nos quais se expressam essas particularidades? Os pais expressam alguma preocupação em entender as escolhas da criança, o porquê de seus comportamentos mais habituais, mencionam situações em que se perguntaram sobre o porquê desta ou daquela reação?


2. (P/R S). Como os pais veem os eventuais sintomas da criança?

Sugestão: Em relação aos sintomas eventuais, reconhece-se algum tipo de filiação? Os sintomas são motivos de incômodo ou sugerem enigma sobre o que acontece com a criança, ou ambos? Os sintomas são vistos como algo a ser eliminado ou são considerados como expressão de algum problema da criança? Há tolerância em relação a eles? Há implicação dos pais nos sintomas eventuais ou eles são vistos simplesmente como falha da criança? É agressivo como o pai, é medroso como a mãe etc.? Os pais fazem alguma hipótese sobre o porquê dos sintomas da criança?


3. (P/R S e FP). A criança é vista dentro de um cenário de filiação?

Sugestão: A criança é comparada com os pais, irmãos, tios, avós, etc.? A criança é colocada como representante da relação do casal ou é “só da mamãe” ou “só do papai”?


4. (P/R S).  Os pais demonstram ter conhecimento sobre a criança?

Sugestão: Conhecem a atividade lúdica da criança, suas preferências, cuidados ou não com os brinquedos? Sabem como ela se comporta com outras crianças? (Compartilha, isola-se, é agressiva, etc.?) A palavra da criança é ouvida? Responde-se às suas questões?


5. (P/R S).  Como os pais tomam a demanda da criança?

Sugestão: Os pais tomam a demanda da criança ao pé da letra ou supõem algo além dela? Quando a criança lhes dirige uma demanda, os pais tentam saber do que se trata, interrogam o filho, propõem hipóteses? Os pais estão interessados nas descobertas da criança? Os pais dirigem demandas à criança ou só dão ordens? Quando as demandas são satisfeitas, a criança expressa satisfação ou acha isso natural? Tem reações de birra?


6. (P/R S).  Como é a capacidade, tanto dos pais como da criança, para esperar a enunciação um do outro?

Sugestão: Quando a criança apresenta dificuldades em articular alguma coisa, os pais suportam esperar que a criança conclua, ou se antecipam, tentando articular para a criança? A criança espera os seus pais terminarem de falar, ou interrompe o tempo todo? Os pais estão atentos para o que a criança diz, admitem que a criança pode revelar o que está vivendo, ou antecipam e adivinham tudo para a criança?


7. (CI). Como é a saúde da criança?

Sugestão: Investigar se a criança tem ou teve doenças de repetição, internamentos, se fez cirurgias, como é a saúde dela em geral.


8. (CI). Nas situações de alimentação, como a criança reage?

Sugestão: Investigar a evolução da alimentação na história da criança, desde o início de vida. Se os pais relatarem dificuldades, investigar quando ocorreram, pedir exemplos.


9. (CI).  Como é a criança quanto ao sono?

Sugestão: Verificar o ritmo de sono da criança, se dorme sozinha, por quanto tempo, local onde dorme, qualidade do sono. Se houver intermitência, verificar, com perguntas abertas, se a criança é quem tem dificuldade, como é essa dificuldade e o que os pais fazem a respeito.


10. (CI).  Frente às demandas de controle dos esfíncteres quais foram as intercorrências? Como a criança lida com os seus excrementos?


11. (CI). Como é o cuidado da criança com o seu corpo?

Sugestão: Coloca-se em risco? Incomoda-se ao se sujar? Reconhece-se no espelho?


12. (CI). Como os pais percebem a movimentação da criança? (Consideram-na tranquila, agitada, inquieta, passiva...?).


13. (CI).  Como está em relação à sua autonomia? (Ir ao banheiro, vestir-se, dormir sozinha, comer sozinha, cuidados)?

Sugestão: Verificar pelo que a criança se responsabiliza no cuidado de seu corpo, sem precisar sempre do auxílio do adulto, considerando o que já consegue fazer. Verificar se os pais querem ajudar e desconsiderando a capacidade da criança. Quando relatam que a criança faz tudo sozinha, investigar mais. 


14. (CI). Tem um objeto de que não quer se separar?


15. (CI). A criança permite que lhe cortem unhas e cabelo?


16. (BF). A criança brinca sozinha? Do que ela gosta de brincar?


17. (FP). O exercício da autoridade por um dos pais é sustentado pelo outro?

Sugestão: O pai sente que sua palavra tem importância para a mãe? A mãe sente que sua palavra tem importância para o pai?


18. (FP).  Como a criança reage aos limites colocados pelo entrevistador e pelos pais?

Sugestão: A criança reconhece limites? Como reage? Negocia, chora, transgride? Busca apoio do pai, da mãe ou de ambos? Como os pais reagem a esse pedido de apoio?


19. (FP). A criança consegue esperar? 

Sugestão: Pedir exemplos aos pais: a criança consegue esperar, por exemplo, o momento da sobremesa (ou outra situação)? Quando pede um presente, consegue esperar o dia de receber (por exemplo, Natal, aniversário)?

Verificar isso também com a situação inicial de pedir para a criança esperar pela abertura da caixa de brinquedos.


20. (FP) A criança cumpre combinados?

Sugestão: Pedir exemplos aos pais. Verificar se ela guarda os brinquedos na caixa depois da observação, conforme se combinou no início.


21. (FP).  Como os pais reagem quando a criança não obedece?


22. (FS).  No caso de irmãos, como é a relação?

Sugestão: Há ciúmes? É muito intenso, é administrável? Como os pais manejam a situação? Há rivalização?


23. (FS). A criança imita os irmãos?


24. (FS). A criança se identifica com a maneira de ser de um irmão ou irmã?


25. (FS). A criança gosta de brincar com outras crianças?


26. (FS). A criança é chamada por outras crianças para brincar?

Anotações qualitativas sobre a entrevista com os pais:

























P/RS


 

 


CI


 

 


BF


 

 


FP


 

 


FS


 

 


II. ENTREVISTA COM A CRIANÇA



























































1. (P/R S). A criança dirige demandas ao profissional? Como?


2. (P/R S). A criança se interessa pelo profissional?

Sugestão: Olha para ele? Presta atenção ao que ele fala ou faz?


3. (P/R S). A criança fala em nome próprio?

Sugestão: Usa o “eu”? Identifica-se com seu nome? Diz como se chama?


4. (P/R S e B/F). Que tipos de brincadeiras a criança faz?

Sugestão: Há um brincar próprio, com implicação da criança? Demonstra interesse, prazer, em brincar?


5. (P/R S). A criança sustenta um diálogo?

Sugestão: Como se refere a si mesma (usa o “eu”)? Como se refere ao outro? A criança leva em conta a palavra do interlocutor? A criança tem capacidade de interrogar? De fazer uso dos porquês?


6. (P/R S). Dá para entender o que a criança diz?

Sugestão: Alguém precisa traduzir a sua fala ou ninguém entende o que ela fala?


7. (P/R S). Como é a fala da criança?

Sugestão: Como é seu vocabulário? Como é sua entonação de voz? Respeita as regras gramaticais?


8. (BF). Apresenta uma persistência repetitiva ou mecânica nas suas brincadeiras? E nos seus desenhos?


9. (BF). Inclui o profissional?


10. (BF). Que tipo de cenas faz nas suas brincadeiras?

Sugestão: Tem enredo, cria, inventa histórias, personagens?


11. (CI). Mostra algum interesse por sua imagem no espelho? Como? Reconhece-se no espelho?

Sugestão: Faz, por exemplo, brincadeiras no espelho? (Se não aparecer espontaneamente, incentivar o uso do espelho, criando situações em que a criança fica diante do espelho e perguntando, por exemplo, quem está ali).


12. (CI). Faz identificações sexuais no desenho de si ou na sua imagem no espelho?


13. (CI). Se não aparecer espontaneamente, pedir para a criança fazer um desenho dela mesma.

Sugestão: Ela explica o desenho? Solicitar que a criança nomeie o que desenhou? Identifica-se no desenho? Aparecem outros personagens?


14. (CI). Como a criança lida com a sujeira?

Sugestão: investigar, se não aparecer espontaneamente.


15. (CI) Como a criança se apresenta do ponto de vista psicomotor?

Sugestão: é uma criança agitada? É muito passiva? Não se detêm nas brincadeiras, passando de uma atividade para outra? Tem facilidade ou dificuldade em realizar os movimentos durante a brincadeira?


16. (FP). Como a criança aceita a separação dos pais quando chega à escola ou quando é colocada em situação de acompanhamento individual?

Sugestão: Adapta-se logo, ou se sente ameaçada? Se é tranquilizada pelo profissional, mostra-se mais confiante, ou nada muda? Quando é colocado algum limite, como reage? Nega-se, aceita sem comentários, negocia?


17. (FP). Ao se ver sozinha, a criança brinca espontaneamente ou precisa ser estimulada?


18. (FS). A criança faz referência a amigos?

Sugestão: Se não fizer referência espontaneamente, perguntar.


 

Anotações qualitativas sobre a entrevista com criança

























P/RS


 


CI


 

 


BF


 

 


FP


 

 


FS


 

 


 

III. ENTREVISTA COM A PROFESSORA




































































1. (P/R S). O que o professor diz a respeito da criança e como o faz?


2. (P/R S). Como o professor vê os eventuais sintomas da criança?


3. (P/R S). O professor demonstra ter conhecimento sobre a criança?


4. (P/R S).  Como o professor toma a demanda da criança?


5. (BF). A criança brinca sozinha? Do que ela gosta de brincar?


6. (CI). Frente às demandas de controle dos esfíncteres, quais foram as intercorrências?

Sugestão: Como a criança lida com os seus excrementos?


7. (CI). Nas situações de alimentação, como a criança reage?


8. (CI). (Para Educação Infantil). Como age a criança na hora de dormir?


9. (CI). A criança se coloca em risco?


10. (CI). Como é a movimentação da criança na sala de aula, na escola?

Sugestão: Investigar se a criança é agitada, se é muito passiva, se não consegue ficar sentada na carteira, se está constantemente se mexendo, se tem dificuldades com algumas atividades motoras.


11. (FP). O professor sente que sua palavra tem peso para a criança ou se sente desautorizado por ela?

Sugestão: Como a criança reage diante das regras, combinados?


12. (FP). A criança sabe esperar na fila? Sabe esperar a sua vez?


13. (FP). Como foi a adaptação da criança à escola?


14. (FS). Como é a criança no grupo classe?


15. (FS).  No caso de irmãos, como é a relação?


16. (FS). A criança imita os colegas?


17. (FS). A criança se identifica com a maneira de ser de algum colega?


18. (FS). A criança gosta de brincar com outras crianças?


19. (FS). A criança chama outras crianças para brincar?


20. (FS). As outras crianças a procuram para brincar?


21. (FS). Ela se interessa pelo que as outras crianças estão fazendo?

Sugestão: tem curiosidade pelo brincar de outra criança? (Não se trata do brinquedo que os outros estão manipulando, mas do brincar em si)


 

Anotações qualitativas sobre a entrevista com a professora

























P/RS


 

 


CI


 

 


BF


 

 


FP


 

 


FS


 

 


 

 

IV. OBSERVAÇÃO DA CRIANÇA NO GRUPO


















































1. (FS). Há uma diferença nítida em relação ao acompanhamento individual quando a criança entra em um grupo?

Sugestão: Adapta-se logo ou se sente ameaçada? Se é tranquilizada por um adulto, mostra-se mais confiante?


2. (BF). Ao se ver em grupo, a criança brinca espontaneamente ou precisa ser estimulada?


3. (FS). A criança pede a outra criança para brincar com ela?

Sugestão: Procura outras crianças para brincar? Chama ativamente outra criança?


4. (FS). Se outra criança a chama para brincar, ela vai?

Sugestão: Investigar se a criança é chamada para brincar por outras crianças. Aceita o convite, esquiva-se, reage com agressividade, mostra indiferença?


5. (BF/FS). A criança tem um brincar compartilhado?

Sugestão: Participa de brincadeiras conjuntas? Demonstra divertir-se com outras crianças?


6. (CI). Como é a movimentação da criança no grupo?

Sugestão: É agitada, passiva, detém-se em alguma brincadeira ou pula de uma atividade para outra?


7. (FS/CI). A criança tem um amigo de que não se separa?


8. (FS/CI). É capaz de brincar sem o amigo inseparável?


9. (FS/CI). A criança imita uma criança específica?


10. (FS). A criança aprende com os colegas durante a atividade?


11. (FS). A criança rivaliza com os colegas?


12. (FS). Há disputa de brinquedos?


13. (FP). Como a criança reage quando o adulto coloca regras na brincadeira coletiva?


14. (/P/R S). A criança sustenta uma fala em nome próprio diante do grupo?Sugestão: A criança fala com seus pares ou somente com o adulto?


15. (FP) Como é a relação da criança com o(s) coordenador(es) do grupo (quando for o caso)?

Sugestão: Respeita a palavra do adulto, ignora-o, desafia-o, apoia se constantemente nele?


 

Anotações qualitativas sobre a observação da criança em grupo

























P/RS


 

 


CI


 

 


BF


 

 


FP


 

 


FS


 



Indicadores de Acompanhamento









































































































P/R S: PRESENÇA/RECONHECIMENTO DE SUJEITO


Indicador


Tempo 1


Tempo 2


Não observado


Não


Em construção


Sim


Não observado


Não


Em construção


Sim


  1. A criança leva em consideração a fala do outro.


 


 


 


 


 


 


 


 


2. A criança expressa-se de modo compreensível para o outro.


 


 


 


 


 


 


 


 


3. A criança expressa suas preferências.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA


 


 


 


 


 


 


 


 


4. A criança responde quando é chamada pelo nome (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


5. A criança usa pronomes em 1ª pessoa (eu, me, mim) (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA IAC


 


 


 


 


 


 


 


 


Observação final sobre o eixo


 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 


*IAC: SE AUSENTE (marcação NÃO), indicador de acompanhamento CONCLUSIVO para Entraves Estruturais para a Constituição Subjetiva 

Indicadores de Acompanhamento




















































































































BF: O BRINCAR E A FANTASIA


Indicador


Tempo 1


Tempo 2


Não observado


Não


Em construção


Sim


Não observado


Não


Em construção


Sim


1. A criança fantasia ao brincar.


 


 


 


 


 


 


 


 


2. A criança demonstra capacidade de lidar com situações frustrantes na brincadeira.


 


 


 


 


 


 


 


 


3. A criança é capaz de brincar sozinha de modo autêntico.


 


 


 


 


 


 


 


 


4. Há enredo na brincadeira.


 


 


 


 


 


 


 


 


5. A criança tem um brincar compartilhado.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA


 


 


 


 


 


 


 


 


6. A criança faz distinção entre fantasia e realidade (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA IAC


 


 


 


 


 


 


 


 


Observação final sobre o eixo


 

 

 

 

 

 


 

 

 

 


*IAC: SE AUSENTE (marcação NÃO), indicador de acompanhamento CONCLUSIVO para Entraves Estruturais para a Constituição Subjetiva 

Indicadores de Acompanhamento





















































































































































CI: CORPO E SUA IMAGEM


Indicador


Tempo 1


Tempo 2


Não observado


Não


Em construção


Sim


Não observado


Não


Em construção


Sim


1. A criança tem um ritmo de sono e de vigília sem intercorrências.


 


 


 


 


 


 


 


 


2. A criança tem autonomia no cuidado de si.


 


 


 


 


 


 


 


 


3. A criança demonstra organização psicomotora.


 


 


 


 


 


 


 


 


4. A criança suporta sujar-se.


 


 


 


 


 


 


 


 


5. A criança evita situações perigosas.


 


 


 


 


 


 


 


 


6. A criança tem alimentação variada.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA


 


 


 


 


 


 


 


 


7. A criança se reconhece no espelho. (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


8. A criança suporta o olhar do Outro. (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


9. A criança aceita ser tocada. (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA IAC


 


 


 


 


 


 


 


 


Observação final sobre o eixo


 

 

 

 

 


 

 

 

 


*IAC: SE AUSENTE (marcação NÃO), indicador de acompanhamento CONCLUSIVO para Entraves Estruturais para a Constituição Subjetiva 

Indicadores de Acompanhamento









































































































FP: FUNÇÃO PATERNA


Indicador


Tempo 1


Tempo 2


Não observado


Não


Em construção


Sim


Não observado


Não


Em construção


Sim


1. A criança aceita limites e interditos.


 


 


 


 


 


 


 


 


2. A criança consegue esperar quando quer algo.


 


 


 


 


 


 


 


 


3. A criança consegue cumprir combinados.


 


 


 


 


 


 


 


 


4. A criança aceita a intermediação de adultos em caso de rivalização.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA


 


 


 


 


 


 


 


 


5. Faz uso do “não”. (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA IAC


 


 


 


 


 


 


 


 


Observação final sobre o eixo


 

 

 

 

 

 


 

 

 

 


*IAC: SE AUSENTE (marcação NÃO), indicador de acompanhamento CONCLUSIVO para Entraves Estruturais para a Constituição Subjetiva

Indicadores de Acompanhamento































































































































FS: FUNÇÃO DO SEMELHANTE


Indicador


Tempo 1


Tempo 2


Não observado


Não


Em construção


Sim


Não observado


Não


Em construção


Sim


1. A criança tem amigos.


 


 


 


 


 


 


 


 


2. A criança tem interesses em comum com os amigos.


 


 


 


 


 


 


 


 


3. A criança tem independência em relação aos pares.


 


 


 


 


 


 


 


 


4. A criança responde ao chamado de outra criança para brincar.


 


 


 


 


 


 


 


 


5. A criança compartilha objetos com outras crianças.


 


 


 


 


 


 


 


 


6. A criança é chamada por outras crianças para brincar.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA


 


 


 


 


 


 


 


 


7. A criança inclui o outro na brincadeira. (IAC)*.


 


 


 


 


 


 


 


 


SOMA IAC


 


 


 


 


 


 


 


 


Observação final sobre o eixo


 

 

 

 

 

 


 

 


*IAC: SE AUSENTE (marcação NÃO), indicador de acompanhamento CONCLUSIVO para Entraves Estruturais para a Constituição Subjetiva

Desfechos Clínicos